Top 5: o melhor do rock brasileiro da atualidade

Um programa algo diferente: um Top 5 de alguns dos melhores grupos de rock brasileiro dos últimos anos.

Scalene é um quarteto formado em Brasília, em 2009, e que vem dando o que falar. Escutar os seus discos é receber uma enxurrada das referências mais dispares, que vão de grupos como Queens of the Stone Age a Radiohead, O’Brother e Interporl. Sem medo de inovar, o grupo não teve problemas para, por exemplo, dispensar a primeira vocalista, Alexia Fidalgo, por decisão unilateral dos demais membros da banda, nem para participar do programa SuperStar da rede Globo, um formato parecido com o de La Voz, só que com cantores profissionais. “Real/surreal”, gravado em casa, e lançado em agosto de 2013, e “Éter”, lançado em maio de 2015, são dois grandes trabalhos, nos quais encontramos melodia nas vozes e peso nos riffs de guitarra, climas e dinâmicas que se alteram com facilidade e muita distorção. E tem mais: em 2016, “Éter” ganhou o Grammy Latino como melhor álbum de rock em língua portuguesa. Em 2017, o grupo lançou o primeiro disco com selo discográfico, “Magnetite”, pela SLAP/Som Livre. Sem perder a essência, esse trabalho introduziu novos ares na música da banda como teclados e palmas que remetem ao rock alternativo. No ano passado, lançaram seu último trabalho, “Respiro”, uma reação aos tempos em que vivemos. As suas 13 canções, incluindo entre elas dois interlúdios instrumentais, foram escritas como protesto à tensão e ao descontrole do nosso dia a dia. O disco conta com a participação de artistas como Hamilton de Holanda, Xenia França e Ney Matogrosso.

Formado em 2007 na bela capital de Minas Gerais, o objetivo da nossa próxima banda era oferecer música que agradasse às pessoas, sem se importarem se teriam grande público ou se poderiam viver do ofício. No final das contas, a aposta foi um acerto, o que nos permite apresentar Lucas Guerra, cantor e autor da maioria das canções do grupo Pense. O seu primeiro trabalho de estúdio, de 2011, se intitulava “Espelho da alma”, e recebeu boa acolhida pela crítica especializada, assim como “Além daquilo que te cega”, de 2014, que foi sufragado totalmente através de financiamento coletivo. O álbum se converteu em um dos grandes sucessos do ano, apresentado no Brasil inteiro em uma turnê com 50 concertos em 10 meses em 18 estados diferentes. Em 2018, chegou o terceiro álbum, intitulado “Realidade, vida e fé”, gravado de forma independente no estúdio do cantor Lucas Guerra, em Belo Horizonte. Além do custo “zero”, tiveram liberdade para trabalhar e para produzir um making off de todas as etapas da elaboração do disco. Com canções mais agressivas e uma temática pessoal, o disco reflete a maturidade da banda, com arranjos mais sofisticados e uma sonoridade mais homogênea.

Diferente dos grupos anteriores, a nossa próxima banda começou a caminhar em 1999, quando quatro amigos de um colégio de Porto Alegre, Lucas, Gustavo, Pedro e Leandro, tiveram a grande ideia de montar uma banda depois de uma animada reunião do Grêmio Estudantil do qual participavam. A proposta inicial era fazer versões em punk de canções consagradas somente por diversão e, de fato, começaram a ensaiar na casa de um deles, sem grandes pretensões. Em pouco tempo, havia ficado para trás a ideia dos covers; convidaram outro rapaz da sua turma, Bruno, para tocar baixo, com a ideia de se apresentarem no festival de bandas do colégio no mês seguinte. Inicialmente, se autodenominaram os “Demócratas”, mas em 2001 descobriram que já havia um grupo nordestino com esse nome; depois de um momento de dúvidas, acabaram decidindo pelo apelativo “Fresno”, sugestão de Lucas que achava graça de como soava a palavra. Pouco depois, Leandro, o cantor, abandonava o grupo, e Lucas, que era o principal compositor, assumiu a liderança da nave. Desde então, Fresno é um quarteto que já conta com 8 discos no mercado; o último trabalho, “Sua alegria foi cancelada”, foi lançado há pouco mais de um ano.

Com raízes no indie rock e no rock alternativo, o nosso próximo grupo se formou em Vitória, no estado de Espírito Santo em 2007, ainda que tenham se fixado em São Paulo. Com muitas idas e vindas em sua composição, o próprio nome já indica que nos espera uma boa mistura de músicos e seus diversos estilos, histórias e influências. Trata-se de Supercombo. Com um canal em Youtube muito ativo e apostando forte pelos serviços de streaming, a banda conseguiu que “Piloto automático” o single do seu terceiro disco de estúdio (“Amianto”, 2014) fosse a segunda canção mais compartilhada de Spotify, em 2014. O grupo se destaca por suas letras que tratam das adversidades do dia a dia. Brincalhões, experimentais, lançaram dois EPs Jovem e Bonsai, ambos em 2017, com 4 versões da mesma canção, somente para provar e se divertirem com sua música, começaram a tocar como como trilha sonora de séries da Disney e até em propaganda.

Autodefinidos como um grupo de “pachanga folk” e descritos pela imprensa especializada como uma mistura entre Manu Chao e Nação Zumbi, o grupo que encerra este Top 5 é totalmente indefinível. A sua música é uma espécie de fusão entre a batucada e a música latina, com elementos eletrônicos e de rap, um “batuk freak tropikarlos”, como eles mesmos dizem. Com letras em espanhol, inglês e português, um conteúdo social ácido e uma história incrível por detrás, falamos de Francisco el hombre. Depois de viajar por meio mundo, os irmãos mexicanos Sebastián e Mateo Piracés Urgarte se mudaram para Campinas, São Paulo, a meados do ano 2000, e se naturalizaram brasileiros. Decidiram fundar um grupo com a ideia de deixar seus respectivos trabalhos, a faculdade e tudo que lhes atava à sociedade, para se dedicarem somente à música. O nome da banda, que acolheu outros três membros para dar forma definitiva ao quinteto, está inspirado numa figura do folclore colombiano. As suas primeiras turnês latino-americanas foram autofinanciadas e com bastante improvisação: se lançaram na estrada e foram tocando em qualquer lugar, incluindo praças, hotéis, bares e até em festas de aniversário. Em 2016, lançaram o primeiro disco “Soltasbruxa” produzido por Zé Nigro com letras politizadas e de conteúdo social. O resto, como dizem por aí, já é história.

CANÇÕES DO TOP 5:

“Danse macabre”, do disco “Real/Surreal” (2013) de Scalene.

“Esse berro (ft. Ney Matogrosso)”, do disco “Respiro” (2019) de Scalene.

“O mundo é dos expertos” do disco “Espelho da alma” (2011) de Pense.

“Todo momento é agora”, do disco “Realidad, vida e fé” (2018) de Pense.

“Onde está” do álbum “O rio, a cidade, a árvore” (2004) de Fresno.

“Manifesto” do EP “Eu sou a maré viva” (2014) de Fresno.

“Piloto Automático” do disco “Amianto” (2014) de Supercombo.

“Lentes”, do disco “Rogerio” (2017) de Supercombo.

“O Tempo É Sua Morada”, do álbum “Rasgacabeza” (2019) de Francisco el hombre.

“Triste, louca ou má” do disco “Soltasbruxa” (2016) de Francisco el hombre.

OUTROS LINKS:

Página oficial de Scalene:

https://www.somlivre.com/artista/scalene.html

FacebooK Scalene:

https://www.facebook.com/bandascalene

Facebook Fresno:

https://www.facebook.com/fresnorock

Redes oficiais de Pense:

https://linktr.ee/Penseoficial?fbclid=IwAR3AvPOB38t484KPKDAQ6oLfY34A85lb0JjpBLAm1Boz453j0UrzEA_Id_s

Página oficial de Supercombo:

https://www.supercomborock.com/

Canal de youtube de Supercombo

https://www.youtube.com/channel/UC5eeDHYjTWF9pPWYDKpVMYQ

Facebook de Supercombo:

https://www.facebook.com/bandascalene

Facebook Francisco el hombre:

https://www.facebook.com/fresnorock

Página oficial de Francisco el hombre:

https://www.franciscoelhombre.org/?fbclid=IwAR08dc4lwl8hmWCpUcRhrlbR-j3XxJE6ZtN7RrWAll7m-KfnF31wfgYPSQg

Compartir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no skype
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Relacionado:

Depois de 5 milhões de cópias vendidas e 30 anos sobre os palcos, nossos de hoje não precisam de apresentação.
O melhor rock dos 80 de São Paulo, liderado pelo cantor e guitarrista Roger Moreira.
O melhor de um grupo efêmero e de sucesso, que fez da burla e do bom humor sua marca registrada.
Terceira e última entrega da biografia do médico e higienista Oswaldo Cruz. Não perca o final desta história apaixonante.
Um tremendo programa, com um dos 10 melhores grupos de rock do mundo afora dos EUA.
Anterior
Próximo