Top 10: Engenheiros do Hawaii

Un grupo de rock ochentero, con filosofía propia que no te puedes perder.

Terminava o ano de 1984 quando quatro estudantes de Arquitetura da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Humberto Gessinger, Carlos Stein, Marcelo Pitz e Carlos Maltz decidiram montar um grupo para atuar no festival organizado pela facultade como protesto pela paralização das aulas. O nome Engenheiros do Hawaii era uma maneira de zombar dos estudantes de engenharia, com os quais mantinham uma certa rivalidade, e que sempre se vestiam com bermudas de surfista. O primeiro álbum da banda, Longe demais das capitais, chegou em 1986, com um estilo pop muito parecido ao dos grupos The Police e Paralamas do Sucesso; sem demorar, evoluíram em direção ao rock progressivo, marca dos seus seguintes trabalhos. “A revolta dos Dandis” inaugura uma trilogia com discos nos quais se repetem temas gráficos e musicais, arranjos que evocam o rock mais puro dos anos 1960 e letras críticas, cheias de alusões literárias a filósofos como Albert Camus ou Jean Paul Sartre.

Depois de muitas idas e vindas, mudanças na composição da banda e uma turnê internacional, pelos Estados Unidos e Japão, os Engenheiros começam os anos 1990 sem o sucesso de outros tempos longínquos. Gessinger, que já havia feito alguns trabalhos em carreira solo, funda uma nova banda, fabricada à medida (Humberto Gessiger Trio), para voltar às origens dos Engenheiros e com uma sonoridade mais básica, de bateria, baixo e guitarra, sem artifícios nem pretensões. Mas, para os produtores de eventos nacionais era mais fácil anunciar no cartaz os Engenheiros, grupo conhecido por todo o Brasil, do que um trio que acabava de sair do nada, assim que, finalmente, Gessinger aceita, e volta a identificar-se como Engenheiro.

Com Lucio Dorfmann nos teclados, e um som novamente próximo ao pop, aparecem os discos Minuano, de 1997, e Tchau Radar!, em 1999. Este último marca a entrada dos Engenheiros na Universal Music Group, deixando entrever a maturidade alcançada pelos membros do grupo, com influências claras do folk rock e do rock and roll dos anos 1960, mas também do rock progressivo e da omnipresente MPB.

Da turnê do disco “Tchau Radar” surgiu o terceiro álbum ao vivo da banda, 10.000 destinos, com uma boa revisão das melhores do seu repertório, e duas canções inéditas gravadas em estúdio, incluída uma versão de “Quando o carnaval chegar” de Chico Buarque. Pouco depois de participar do Rock in Rio III em 2001, Lucio, Adal e Luciano abandonam o grupo para fundar Massa Crítica. Os engenheiros têm que se recompor novamente, e dessa vez com Paulinho Galvão na guitarra, Bernardo Fonseca no baixo e Glaucio Ayala na bateria. Gessiger volta a tocar guitarra, depois de 14 anos como baixista do grupo. Em 2003, aparece o disco “Dançando no campo minado”, com canções curtas, guitarras pesadas e a poesia crítica de Gessinger denunciando os males da globalização, da desilusão política e ideológica e da guerra. O resto, como dizem por aí, já é história.

Facebook do grupo: https://www.facebook.com/EngHaw

Canal de Youtube: https://www.youtube.com/channel/UC3D-MuJMLQ4BR5e4tLNt0sQ

Projeto Pouca Vogal: http://www.poucavogal.com.br/

1. “Pra ser sincero” do disco “O Papa é Pop” (1990);

2. “Toda forma de poder” do disco “Longe demais das capitais” (1986);

3. “Infinita Highway” do disco “A revolta dos Dandis” (1987);

4. “Refrão de bolero” do disco “A revolta dos Dandis” (1987);

5. “Somos quem podemos ser”, de “Ouça o que eu digo: não ouça nenguem” de 1988;

6. “Era um Garoto Que Como Eu Amava os Beatles e os Rolling Stones” do disco “O Papa é Pop” (1990);

7. “Piano bar” de “Varias Variáveis” (1991);

8. “3×4” do disco “Tchau Radar!” de 1999;

9. “Eu que nao amo você”, de “Tchau Radar!” (1999);

10. “Dom Quixote” de “Dançando no campo minado” (2003).

Compartir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no skype
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Relacionado:

Em colaboração com o Museu da Vida, apresentamos a troça carnavalesca pernambucana dedicada à divulgação científica.
A segunda parte da biografia de um dos médicos e pesquisadores brasileiros mais destacados do século XX.
Anterior
Próximo