O samba da minha terra: Fabiana Cozza

Um bate papo com Fabiana Cozza sobre a obra de Dona Ivone Lara.

Esta segunda entrada da coluna “O samba da minha terra”, dedicada a Dona Ivone Lara, a grande dama do samba brasileiro. Para esta emissão, o programa contou com a inestimável participação da artista, intérprete, Fabiana Cozza, um dos grandes nomes do samba brasileiro da atualidade.

Além de ser uma grande artista, Fabiana Cozza também assinou um artigo sobre Dona Ivone Lara, publicado no livro As bambas do samba: mulher e poder na roda, publicado pela Edufba, em 2016.

Fabiana Cozza é jornalista e intérprete de formação. Com 24 anos passou a dedicar-se somente às artes, abandonando o jornalismo. A veia artística se manifesta na interpretação musical, na dança, no teatro e nas letras, já que é autora do livro Álbum duplo, um livro de poesias, publicado pela Pedra Papel Tesoura. E essa, digamos, integralidade, nas artes, a levou a desenvolver uma série de reflexões sobre sua atuação, na relação entre corpo, voz e emoção. 

Em sua página web, ela escreve:

La voz o la construcción de una voz ocupa un lugar infinitamente mayor que el aparto fonador y, de esta forma, el trabajo del intérprete no puede justificarse solo por los conocimientos de anatomía y fisiología de la estructura de las cuerdas vocales y del tracto vocal y/o a los trabajos restringidos a lo meramente físico. Empecé a desear un canto expresivo y personal y una idea que rompiese con la lógica de la voz x cuerpo x psiquismo.

https://www.fabianacozza.com.br/oficina

E a partir daí, começou a ministrar oficinas que ajudassem a explorar todas essas questões que abarcam corpo, voz e interpretação.

Fabiana Cozza lançou o primeiro disco em 2004, e de lá para cá, somam oito. Entre eles, Canto na noite na boca do vento que é absolutamente maravilhoso, cujo repertório é formado por composições de Dona Ivone Lara junto com seus parceiros, entre eles, Délcio Carvalho, quem durante mais tempo a acompanhou. Esse disco, que é de 2019, reúne 14 canções imperdíveis, que na época do seu lançamento ficaram à sombra de outras que conquistaram maior sucesso. 

No bate papo com Fabiana Cozza, ela explica sobre esse disco Canto na noite na boca do vento, a seleção das músicas e a produção. Falamos também da amizade que construiu com Dona Ivone Lara depois de muitos anos de colaboração e parceria, da importância do seu papel como pioneira em muitos âmbitos do samba brasileiro.

Agradecemos muito a Fabiana Cozza e a sua equipe de produção pela oportunidade de compartilhar rádio Universidade de Salamanca essas reflexões e conhecimento sobre a importância de Dona Ivone Lara para a história do samba, para a história da música brasileira.

Refêrencias:

Site oficial: https://en.fabianacozza.com.br/

Facebook: https://www.facebook.com/fabiana.cozza.7

Músicas do programa:

“O samba da minha terra”, interpretada por Elza Soares, no disco Raízes do samba, de 1999.

“Alguém me avisou”, Fabiana Cozza e Maria Bethânia, no disco Canto da noite na boca do vento, de 2019.

“Enredo do meu samba”, Fabiana Cozza, no disco Canto da noite na boca do vento, de 2019.

Compartir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no skype
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Relacionado:

Esta entrega de “O samba da minha terra” está dedicada a um dos maiores nomes do samba brasileiro, Ary Barroso.
A professora Renata Reis fala sobre a importância do pessoal técnico na pesquisa através da história deste homem excepcional.
Dona Ivone Lara, a primeira mulher que formou parte da ala de compositores de uma escola de samba no Brasil.
“Samba que elas querem” é um grupo formado por oito musicistas, sambistas, que atuam na cena do samba de roda carioca.
Anterior
Próximo