BioBrasil especial: entrevista a Rafael Fabrés

Neste especial de BMQS, entrevistamos o fotógrafo espanhol Rafael Fabrés, que acaba de inaugurar a exposição "Cafuné".

Na última quinta-feira, 4 de novembro, a Fundação Cultural Hispano Brasileira inaugurou no Pátio de Escolas Menores da Universidade de Salamanca a exposição fotográfica “Cafuné”, do fotógrafo espanhol Rafael Fabrés. A mostra é – na verdade – um completo projeto audiovisual que ilustra um conturbado período da história brasileira, particularmente do Río de Janeiro e seus moradores.

Em português, a palavra “cafuné” é o carinho que se faz ao passar os dedos pelo cabelo de outra pessoa. Este projeto, que começou como um livro e agora ganha forma física nesta exposição, é um gesto de carinho ao Rio de Janeiro. Com a pacificação das favelas como pano de fundo, a mostra mede a temperatura da Cidade Maravilhosa durante a Copa do Mundo, os Jogos Olímpicos, a visita do Papa e as manifestações de 2013. É certo que o trabalho registra um período fundamental da história do Brasil, o projeto é, ao mesmo tempo, íntimo e pessoal. O diário de um fotógrafo sobre a alegria e a tristeza de uma cidade intensa e desigual na mesma medida, como é o rio de Janeiro. Isso é exatamento o que nos conta Rafael, com quem tivemos a oportunidade de conversar durante a inauguração da exposição.

Com “Cafuné”, o artista tentou fugir dos tópicos, do clichê do gringo que vai fazer um trabalho documental sobre as favelas e que no final acaba se posicionando, diferenciando entre bons e maus. O autor quis demostrar que o Rio é muito mais do que a violência, sexo e carnaval, e para isso recorreu a um formato quase cinematográfico, no qual as imagens não só contam uma história, mas que implicam o expectador, lhe fazem refletir, mas sem conduzir a conclusões ou ideias pré-concebidas.

“Cafuné” é, assim, o fechamento preciso do seu trabalho no Brasil, uma reconciliação com uma cidade, o Rio de Janeiro, capaz de fagocitar quem não esteja preparado para assumir os seus desafios.

E para terminar, pedimos a Rafael Fabrés que resumisse a sua trajetória (pessoal e profissional). É um homem aventureiro, que não tem medo a mudar de país, de trabalho e de objetivo na vida e que agora atravessa uma fase mais serena e reflexiva. Em 2008, foi para a américa Latina e começou a realizar seus primeiros trabalhos fotográficos. Viveu dois anos no Haiti, trabalhando para Getty Images, e depois de uma breve estada no Afganistão, se mudou para o Brasil, com o objetivo de fotografar a pacificação das favelas do Rio. É foi o seu primeiro projeto de longo percurso, que lhe permitiu trabalhar com jornais e revistas de todo o mundo (TIMEThe New York TimesDer SpiegelEl País SemanalParis MatchLe Monde, e um longo etc). Depois de cinco anos no Brasil e outros dois no México, em 2018 voltou a Espanha, disposto a amadurecer toda a experiência adquirida na década anterior.

A exposição, que conta com o apoio da Junta de Castilla y León, poderá ser visitada no Patio de Escuelas de la Universidad de Salamanca até 10 de dezembro, de terça-feira a sábado, no horário de 12h00 às 14h00 e de 17h30 às 20h30; domingos e feriados de 10h00 às 14h00.

Referências

Página de “Cafuné”: http://cafunebook.com/index.php

Web do autor: http://rafaelfabres.com/

https://open.spotify.com/playlist/7v3a8FTwPOsnGImai3fKME?si=71d22bc4a26849d4&nd=1
Playlist “Cafuné”, especialmente criada para a exposição.
“Te faço um cafuné” de Mariana Aydar
https://www.youtube.com/watch?v=iseirAUp2x4&t=1s
A pacificação por Rafael Fabrés. NCI Noticias

Compartir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no skype
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Relacionado:

Uma entrega sobre o documentário “O samba que mora em mim”, da cineasta e documentarista brasileira Georgia Guerra Peixe.
Dedicamos o primeiro programa de 2022 a este interessante projeto de divulgação científica de Universidade Federal de São Paulo.
Emissão especial com uma entrevista ao professor Alexandre Macchione Saes, da Faculdade de Economia da Universidade de São Paulo, sobre o Portal 3×22.
Programa dedicado a Monarco, presidente de honra da escola de samba Portela.
Anterior
Próximo