BioBrasil: entrevista a Gabriel G. Sampaio

Continuamos com a série dedicada à literatura de ficção científica brasileira, com uma entrevista a uma das jovens promessas do gênero.

Gabriel Godinho Sampaio é professor, especialista em tradução e escritor. Os seus trabalhos foram finalistas de prêmios como Cubo de Ouro, e, 2018, e Aberst de Literatura, outorgado pela Associação de Escritores de Romance Policial, Suspense e Terror, o que diz muito sobre ele.

Na entrevista, o escritor no conta que começou a escrever na adolescência e que sempre foi apaixonado pela ficção cinetífica, especialmente dos filmes de invasão alienígena dos anos 1990. Leitor ávido de escritores clássicos do gênero como Julio Verne e Isaac Asimov. Como era de família com poucos recursos econômicos, as livrarias e seus tesouros estavam fora do seu alcance, e foi era bibliotecas públicas onde se abastecia de histórias.

Primeiros trabalhos e seus inícios no romance gráfico

Publicou o seu primeiro trabalho em 2014, em colaboração com dois amigos: um texto sobre homens-lobo intitulado Warwolf: o ritual, com belíssimas ilustrações, muito bem recebido por parte do público jovem e adulto. Animado com o sucesso da obra,  decidiu continuar escrevendo e logo publicou o seu primeiro livro em autoria individual, uma epopeia espacial chamada Exidium. A história narra o retorno dos primeiros seres do universo e como estas criaturas dividiram a nossa Galáxia em dois bandos, provocando a guerra espacial mais louca que se podia imaginar.

Em 2018, o seu amigo Luiz Gustavo Pereira lhe pediu ajuda para dar forma a uma história em quadrinhos na qual estava trabalhando, e foi assim como o nosso protagonista acabou escrevendo o roteiro de Exceção hostil, a sua primeira investida no mundo do romance gráfico. A história está contada a partir da perspectiva de uma menina com necessidades especiais que cresce e se transforma em uma assassina antifascista num Brasil futuro cheio de ódio e preconceitos.

Os seus últimos trabalhos são uma antologia de terror cósmico intitulados Abismo do mal (Lura, 2019) e Jogo de máscaras, dedicados ao público infantojuvenil, lançados em plena pandemia.

Pistas, conselhos e sugestões sobre ficção científica brasileira

Quando entramos no mundo da ficção científica no Brasil, menciona como primeira referência Roberto de Sousa Causo, autor do livro Ficção científica, fantasia e horror no Brasil, com o qual podermos ter uma ideia de quem é quem no gênero, pelo menos até os anos 1950. Gabriel fala também do conceito de “onas” da ficção científica nacional, tema que já abordamos em outros programas, e recomenda ler o artigo de Daniel Iturvides Dutra “A ficção científica brasileira: um gênero invisível”, publicado na Revista Fantastika.

Em relação a escritores e obras, Gabriel recomenda Jorge Luiz Calife, autor de As sereias do espaço, publicado na Isaac Asimov Magazine, Gloria sombria, de Roberto de Sousa Causo, e F.Ú.R.I.A cyberpuk, de Peter LaRubia, sobre fanatismo religioso e a luta das minorias com a opressão.

Como não podia faltar, Gabriel G. Sampaio também tem boas dicas de romance gráfico. Em primeiro lugar, fala do FIQ, o Festival Internacional de Quadrinhos, realizado em Belo Horizonte, onde autores de quadrinhos e todo o país se reunem para apresentar os seus trabalhos. Foi aí que, em 2018, o nosso protagonista conseguiu o romance gráfico A cidade asfixiada, de Renato Medeiros e Rodrigo Xavier, de leitura recomendada. Também destaca uma mulher, Germana Viana, e seus três trabalhos sobre piratas espaciais, cheios de ironia e bom humor.

Afrofuturismo e próximos trabalhos

Para terminar, Gabriel Sampaio comenta que o afrofuturismo vem se fortalecendo cada vez mais no país. Destaca a editora Kitembo que lançou algumas coleções com a temática, e a escritora Lu Ain-Zaila, autora do prefácio da antologia Afrofuturismo, o futuro é nosso, de leitura mais que recomendada.

Em relação aos seus próximos trabalhos, confessa que já tem no forno o próximo livro, um romance gráfico que trata de um dos temas clássicos da ficção científica como os robôs. A história está ambientada num planeta habitado por humanos, onde estão as maiores fábricas de robôs da galáxia. O planeta está à beira de uma revolução, na qual os robôs terão uma participação fundamental. Se você é fã dos andróides da Guerra das Galáxias, do personagem de Data de Star Treck ou da saga Terminator, com certeza vai gostar destes quadrinhos que já está em fase final de edição.

Referências: Blog de Gabriel G. Sampaio: https://escritorggsampaio.wordpress.com/ Facbook de Gabriel G. Sampaio: https://www.facebook.com/GabrielG.Sampa Instagram de Gabriel G. Sampaio: https://www.instagram.com/gabrielg.sampaio/?hl=es Resenha de Exidium no canal Entre Histórias: https://www.youtube.com/watch?v=Im-0ePMaIEQ&t=5s Canal de youtube de Lu Ain-Zaila: https://www.youtube.com/channel/UC6ylI2MC2-ORbpZvYGQ_7gA Tese de doutorado de Daniel Dutra: O horror sobrenatural de H.P. Lovecraft: teoria e praxe estética do horror cósmico (UFRGS, 2015): https://sobreomedo.files.wordpress.com/2016/11/14112016.pdf

Compartir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no skype
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Relacionado:

Dona Ivone Lara, a primeira mulher que formou parte da ala de compositores de uma escola de samba no Brasil.
“Samba que elas querem” é um grupo formado por oito musicistas, sambistas, que atuam na cena do samba de roda carioca.
A seleção musical do BMQS, em colaboração com o Museu da Vida, revisa os estilos de música tradicional brasileira.
Falamos com um dos maiores especialistas em nosso país sobre as relações entre a Espanha e o Brasil.
Retomamos a nossa colaboração com o Museu da Vida, o museu de ciências da Fiocruz para encher o seu sábado de música.
Anterior
Próximo