Top 10: Anavitória

Um dueto feminino que rompeu todos os esquemas e que conseguiu um espaço no cenário nacional por próprio mérito.

O primeiro Top 10 de BMQS de 2021 está dedicado a Ana Clara Caetano Costa e Vitória Fernandes Falcão, duas jovens, colegas de turma em Araguaína, no remoto estado de Tocantins, que em 2013, enquanto estavam na Universidade (Ana estudava medicina e Vitória direito) começaram a gravar vídeos nos quais interpretavam canções de seus artistas preferidos. Um ano depois, Felipe Simas, um conhecido empresário e produtor artístico brasileiro, encontrou um vídeo da dupla cantando a música “Um dia após outro”, de Tiago Iorc, e ficou impressionado. Sem perder tempo, Simas convidou as meninas para gravar um EP e depois chamou Tiago para produzir o trabalho, criando a discográfica independente “Forasteiro”. Foi aí que Felipe Simas batizou a dupla como Anavitória, para evitar que fosse automaticamente rotulada como sendo de sertaneja, já que este estilo musical se caracteriza por duplas com nomes como “Tonico & Tinoco”, “Pedro Bento & Zé da Estrada”, “Leandro &  Leonardo” e assim por diante…

O EP Anavitória foi lançado em 2 de abril de 2015, composto por duas canções próprias “Singular” e “Chamego meu” e duas versões “Cores” da mineira Lorena Chaves e “Tententender” da dupla gaúcha Pouca Vogal. Como num arrebato de inspiração subiram o vídeo com a interpretação acústica de “Singular” no Youtube e o sucesso foi instantâneo.

Pouco depois, a dupla lançou o seu primeiro álbum, intitulado também Anavitória, distribuído pela Universal Music. Uma mistura de folk, pop e MPB, o disco foi indicado ao Grammy Latino de 2017 na categoria de Melhor Álbum de Pop Contemporâneo em língua portuguesa e vendeu mais de 300 mil cópias. Canções como “Agora eu quero ir”, “Dengo” e “Tocando em frente” passaram a formar parte da trilha sonora de diversas novelas de sucesso e as meninas se lançaram numa turnê por todo o país. 

O céu é o limite. Assim podemos resumir a trajetória de Ana e Vitória. Prêmios, turnês, reconhecimentos, fama… e tudo isso em pouco mais de um ano. Sem parar para pensar muito, lançaram outros dois EPs: Anavitória Canta para Pessoas Pequenas, Pessoas Grandes e Não Pessoas Também, com motivo da celebração do Dia das Crianças em outubro de 2017 e Anavitória Canta para Foliões de Bloco, Foliões de Avenida e Não Foliões Também, com músicas que buscavam recuperar a essência dos anos 1950, quando os artistas lançavam seus trabalhos especialmente dedicados ao Carnaval. “Clareiamô”, uma composição em colaboração com Saulo Fernandes, é a única canção inédita deste EP, onde também encontramos “Vem meu amor”, que foi o tema do Carnaval do grupo baiano Olodum em 1992, “Me abraça” um sucesso do grupo Banda Eva e “Baianidade Nagô” de Evandro Rodrigues.

Em 2018 aparecia o segundo disco da dupla, O tempo é agora, vencedor do Grammy Latino na categoria de melhor álbum de pop contemporâneo em língua portuguesa e de dois discos de platina por vender mais de 160 mil cópias. Canções como “Ai, amor” e “Porque eu te amo”, que fez parte da trilha sonora da novela “Topíssima” da Record TV se tornaram muito famosas, assim como “A gente junto”, que deixava entrever um pouco da inocência perdida pela dupla.

Em novembro de 2019 aparecia o terceiro álbum de estudo de nossas protagonistas “N”, lançado pela Universal. Trata-se de uma regravação dos sucessos do cantor e compositor brasileiro, Nando Reis, que inclui “Relicário”, “Pra Você Guardei O Amor” e “All Star” e que não conta com nenhuma composição original, já que a ideia delas era realizar uma homenagem a Nando, considerado por elas a principal referência musical e cujo nome faz referência o título do disco. Este último trabalho saiu justo antes de que desatasse a pandemia no mundo todo e mudasse a vida como a conhecíamos antes. Sem shows, sem espetáculos ao vivo cheios de público, sem lançamentos oficiais… Ana e Vitória apresentaram em 17 de abril de 2020 a canção “Me Conta da Tua Janela”, gravada em casa e composta por Ana Caetano, um reflexo de tudo o que a Covid -19 trouxe para nossas vidas.

Em 1º de janeiro o grupo lançava por surpresa o seu quarto disco Cor, produzido por Tó Bandileone (do grupo 5 a seco) e a própria Ana Caetano. A dupla desenvolveu todo o projeto durante o confinamento e todas as músicas contam com um vídeo em YouTube. O disco começa com a música “Amarelo, Azul e Branco”, que inspira a capa, uma pista autobiográfica na qual a mítica Rita Lee recita alguns versos e que demonstra que o melhor dessas meninas ainda está por vir.

Músicas do programa:

1. “Trevo (tu)”, do disco “Anavitória” (2017)
2. “Singular” , do EP “Anavitória” (2015)
3. “Amores imperfeitos”, do disco “Anavitória” (2017)
4. “A gente junto”, do álbum “O tempo é agora” (2018)
5. “Perdoa”, fet. Paulo Novaes (2019)
6. “All Star” do disco “N” (2019)
7. “Me Conta da tua janela”, single (2020)
8. “Amarelo, Azul e Branco”, do disco “Cor” (2021)
9. “Te amar é massa demais”, do disco “Cor” (2021)
10. “Pra Me Refazer”, fet. Sandy (2019).

Referências:

Facebook oficial do grupo: https://www.facebook.com/anavitoria

Canal de Youtube oficial do grupo: https://www.youtube.com/channel/UChz6hFYw9Qu6iwbEChRfNyA

Instagram oficial do grupo: https://www.instagram.com/anavitoria/

Compartir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no skype
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Relacionado:

Desde 2003, o festival Tensamba promove a cultura popular brasileira em La Laguna, em Tenerife. Em 2021, o festival comemora 18 anos demonstrando muita
BioBrasil estreia na temporada temporada 2021-2022 com um programa dedicado ao sindicalista, ativista político e ambientalista brasileiro Chico Mendes.
A última emissão do Biobrasil da temporada está dedicada a um movimento cultural que adquiriu força e seguidores nos últimos tempos: o afrofuturismo.
A coluna “O samba da minha terra” dedicada à contora e intérprete brasileira, Alcione.
Anterior
Próximo