Concerto “Aquarela do Brasil”

Edimundo Santos, Carlos Mankuzo e David Tavares cantam a história da música brasileira num concerto no Teatro Juan del Enzina, da Universidade de Salamanca.

No âmbito das atividades organizadas para comemorar o Bicentenário da Independência do Brasil, o CEB e a Fundação Cultural Hispano Brasileira oferecem na sexta-feria, 16 de setembro, a partir de las 20h00, o concerto “Aquarela do Brasil”, com os músicos Edimundo Santos, David Tavares e Carlos Mankuzo.

A atuação pretende apresentar a história da música brasileira ao público espanhol. Assim, o trio interpretará músicas brasileiras, desde composições indígenas, passando pela música de origem europeia trazida pela pela Corte portuguesa, sem esquecer os ritmos de origem africana, que, unidos, produziram uma música única e inconfundível.

Durante o espetáculo conheceremos o ritmo caboclinho, criado pelos povos indígenas, modinhas como “Quem sabe”, do compositor Carlos Gomes, obras do famoso Heitor Villa-Lobos, além de “Pelo telefone”, o primeira samba carnavalesco gravado, e “Amor, amor”, de Joaquim da Silva Calado, compositor do primeiro choro, lançado em 1880 e gravado em 1902 pela Casa Edson. Uma viagem emocionante que continua com o ritmo do frevo, maracatu e o baião, até chegar no gênero musical brasileiro mais internacional: a bossa nova.

O concerto acontecerá no Teatro Juan del Enzina da Universidade de Salamanca. A entrada é gratuita e livre até completar a lotação.

Os músicos

Edimundo Santos é cantor, compositor e um artista versátil. Cursou canto na Faculdade Paulista de Arte (FAP-ARTE) e foi membro do coral do estado de São Paulo (Brasil). Em 1990, foi convidado pelo Cassino de Estoril (Portugal) a formar parte do elenco de um grupo de artistas internacionais. Atuou na Inglaterra, Estônia, Chile, Portugal, Bélgica, Holanda, Alemania, Francia, Italia, Suiza e China, além de espaços culturais importantes, como o auditório do Museu Reina Sofia. Em 2014, como convite da companhia «Teatro Defondo», atuou como diretor musical da obra «A ópera do malandro», do músico e compositor brasileiro Chico Buarque, obtendo um grande sucesso de crítica e público.

David Tavares, violonista e compositor, começou a formação musical com oito anos, entrando depois para o Conservatório de Música Villa-Lobos de Curitiba (Paraná, Brasil). Nos anos 1980, estudou violão flamenco em Madri, e em 2002 gravou um primeiro disco individual Un brasileño en Madrid, com colaborações de Jorge Pardo, Rogerio de Souza e Guillermo McGuill. Davis Tavares também atuou no teatro da Zarzuela e participou de prestigiosos festivais, como o Womad (Cáceres), Yamaha. Music Quest (Japón), Festival Ibero-americano de Marrocos e nos Veranos de la Villa (Madrid). O seu último disco se intitula Flamenco Utrópico e foi lançado por Youkali em 2019.

Carlos Alberto Muniz do Nascimento é conhecido no meio artístico como Carlos Mankuzo. O percussionista chegou de Pernambuco (Brasil), trazendo muito ritmo e as músicas mais tradicionais da sua terra natal. Em pouco tempo, entrou no cenário musical de Madri, colaborando com outros artistas e criadores. Referência incontornável do maracatu (ritmo tradicional do Nordeste brasileiro), Mankuso é um dos mestres na percussão r de ritmos brasileiros aqui na Espanha. O seu último trabalho se chama Bate Caboclo Sound System, e a prévia está disponível em Youtube.

Fecha y hora

16/09/2022 8:00 pm

Fecha de inicio

16/09/2022

Fecha de fin

16/09/2022

Compartir

Relacionado:

Uma exposição coletiva com 40 fotografias que retratam a passagem do tempo no distrito paulista de Paranapiacaba.
Uma mostra espetacular com algumas das obras sobre o Brasil, guardadas na Biblioteca Histórica da Universidade de Salamanca.
Ministrado em modalidade presencial, o curso começa em 5 de outubro com três níveles: A1, C1.1 e Conversação nível avançado.
Anterior
Próximo