Workshop de narrativa audiovisual

Uma proposta da Fundação Cultural Hispano Brasileira para mostrar o processo de produção de um documentário de forma descontraída.

A Fundação Cultural Hispano Brasileira (FCHB) mediante o seu programa “Escritor en Residencia” e para adaptá-lo aos novos tempos com um Workshop sobre criação de documentários. A narrativa audiovisual reinou nestes tempos de pandemia e inclui ferramentas que todos os escritores deveriam conhecer. Esse é o caso da pesquisa por informação em arquivos e acervos de todo tipo, algo essencial para respaldar um trabalho que oferece um produto atrativo e acessível, mas igualmente riguroso como qualquer livro.

O workshop

Para o workshop a FCHB contou com três grandes professores:

Em primeiro lugar, a cineasta Angela Zoe, licenciada em Filosofia, História, Psicologia e (pasmem!) mestre em Neurociências. Como profunda conhecedora do ofício de documentarista, os seus trabalhos estão repletos de relatos pessoais, testemunhos e documentação de arquivo. Há 26 anos, fundou a produtora Documenta Filmes que vem poduzindo documentários sobre temas que vão da ditadura militar brasileira ao samba, passando pela diversidad.

Angela, uma velha conhecid do programa BMQS, falou sobre o gênero documentário, da relevância do tema e do processo de criação que, em sua opinião, deve ser feito com os pés na terra e a cabeça nas nuvens.

Acompanhando Angela Zoe, esteve Rita Marques, consultora e diretora da Garimpo, uma empresa de organização e preservação de arquivos, e gerente, durante quase 6 anos, do Centro de Documentação da Rede Globo, um dos grupos audiovisuais mais importantes do Brasil. Com ela, aprendemos como começar uma pesquisa para produzir um bom documentário, quais arquivos nacionais e internacionais podem ser consultados, assim como o recurso dos acervos pessoais e das imagens genéricas.

Finalmente, Marcos Souza, compositor, pianista e diretor da empresa Atelier Cultural desde 1998, foi o responsável pela parte mais rítmica do Workshop, explicando, entre outras coisas, como empregar corretamente a música para criar conteúdos audiovisuais e em que consiste o trabalho de um compositor de trilha sonora.

Se você perdeu o workshop ao vivo, aqui está a oportunidade de assisti-lo!

Compartir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no skype
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Relacionado:

O vencedor da quinta edição do concurso é o brasileiro Alysson Fabio Ferrari, com o conto “Futuro do pretérito”, um sorpreendente relato sobre o
O catedrático de Direito Penal da USAL aborda temas como a complexa situação política do Brasil e a injustiça social na América Latina.
O CEB participa novamente da Feira de Boas-vindas da USAL. Venha a conhecer-nos!
Anterior
Próximo