“O samba da minha terra” entrevista Tomás López de la Cruz, diretor do Tensamba

Desde 2003, o festival Tensamba promove a cultura popular brasileira em La Laguna, em Tenerife. Em 2021, o festival comemora 18 anos demonstrando muita vitalidade.

Em 2003, Tomás López de la Cruz e Antonio Paiz se juntam para organizar a primeira edição do Tensamba na cidade de La Laguna, em Tenerife (Espanha). De lá para cá, são 18 anos, 18 edições, com o forte compromisso de divulgar a cultura e, especialmente, a música brasileira, no país.

Em 2021, o Tensamba comemora sua maioridade. E entre os dias 30 de setembro e 3 de outubro oferecerá uma programação presencial desafiando o atual contexto de pandemia, porém cumprindo todos os protocolos de segurança. Depois de superar a crise econômica de 2008, que destroçou setores inteiros da cultura na Espanha, e agora superando a pandemia, o Tensamba mostra a sua versão mais forte, mantendo uma oferta cultural e reivindicando (para nossa felicidade!) um espaço privilegiado para a cultura brasileira.

Nesta emissão de “O samba da minha terra”, falamos com Tomás López de la Cruz, diretor artístico do festival, quem nos conta sobre a trajetória do evento, os artistas que passaram por seus cenários e “as dores e as delícias” de preservar e divulgar a cultura brasileira na Espanha.

Começamos pelo princípio. Tomás López de la Cruz nos conta que além do amor que ele e Antonio Paiz professam pela música brasileira, havia um motivo histórico para organizar o festival na cidade de La Laguna: o Padre José de Ancheita, jesuíta, e um dos fundadores das cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro, nasceu naquela localidade.

Em relação à programação, o festival busca refletir a diversidade de gêneros e estilos da música popular brasileira. Além disso, o desafio é trazer à Europa artistas renomados no Brasil, mas que ainda não tenham tido a oportunidade de tocar por aqui. Partindo do samba, passando pelo choro e chagando ao rock, pisaram nos cenários do Tensamba artistas como Joyce, Quarteto em Cy, Ed Motta, Gal Costa, Teresa Cristina, Seu Jorge, Bebel Gilberto, entre muitos outros. Mas, o Tensamba não é somente um festival musical. É um festival de cultura popular brasileira. A sua programação inclui também exposições fotográficas e conferências.

Além de “importar” grandes nomes da música brasileira, o festival também conta com artistas brasileiros (e não-brasileiros) que residem no Velho Mundo. Há muitos anos, a Espanha vem sendo o destino para muitos artistas que decidiram fixar residência no país. Esse fato permitiu que a grande variedade de expressões artísticas e musicais tipicamente brasileiras estejam sempre presente na oferta cultural do país, garantindo o seu um bom acolhimento.

Outro dado muito importante é que ao longo de seus 18 anos, Tensamba circulou por diversas cidades das Ilhas Canárias, mas também por outras cidades espanholas como Madri, Barcelona, chegando a Paris, Londres e inclusive, a São Paulo e ao Rio. Tudo isso converteu o festival no maior evento cultural dedicado à cultura brasileira fora do Brasil.

Um tema que não podia faltar no nosso bate-papo: como organizar um evento com essas características num momento tão complexo como este que estamos vivendo? A resposta de Tomás López de la Curz foi taxativa: o desafio é, em primeiro lugar, manter a cultura em tempos de crise. No caso da pandemia, soma-se a dificuldade de encontrar espaços físicos que cumpram os protocolos de segurança e que permitam a realização do evento. Nesse sentido, Tomás reconhece o importante apoio do governo de Canárias, além de entidades públicas, privadas, e da Administração local.

A edição deste ano traz nomes como Gabriel Grossi, um dos maiores instrumentistas brasileiros, além de Fabiola Socas, Gabriel Selvage e o Club Choro Tensamba, uma iniciativa criada e apoiada no âmbito do festival. Para conhecer a programação completa, recomendo visitar a página web do festival.

Agradecemos a Tomás López de la Cruz pela oportunidade da entrevista. A toda equipe do Tensamba, nossos melhores votos de um festival pra lá de bom!

Músicas no programa:

“O samba da minha terra”, Novos baianos, disco Dois momentos, de 1973.

“Redemption Song”, Gabriel Grossi, disco Re disc cover, 2021. 

Compartir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no skype
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Relacionado:

O vencedor da 5ª edição do concurso de relato breve do CEB conta sobre a sua experiência e sobre (a melhor) literatura brasileira contemporânea.
A “madrinha do samba”, a cantora e compositora brasileira Beth Carvalho, protagonista em “O samba da minha terra”.
Revisamos a vida da ativista ambiental amiga de Chico Mendes, que chegou a ser ministra do medio ambiente.
Anterior
Próximo