O samba da minha terra: “Contestadas”

Entrega de BMQS com uma entrevista à cantora Rafaela Ventz, que dá voz ao projeto “Contestadas”.

Nesta emissão de “O samba da minha terra” entrevistamos a cantora e intérprete brasileira Rafaela Ventz. Em 2014, tive a oportunidade de conhecê-la – “Rafa”, para os mais próximos -, uma catarinense de Joinville, e conversamos sobre o disco que ela havia gravado na formação da banda Dona Chica. Pouco tempo depois dessa primeira entrevista, voltamos a nos encontrar para a gravação de uma entrevista em vídeo em formato de testemunho. Nesse registro, Rafa compartilhava sobre sua experiência como intérprete, como cantora aqui na Espanha.

“Contestadas”

Já de volta ao Brasil, Rafaela Ventz é a voz do projeto “Contestadas”, uma iniciativa musical que busca, principalmente, dar visibilidade ao papel das mulheres na Guerra do Contestado a partir da música.

O nome do projeto, “Contestadas”, faz referência ao episódio da história do Brasil, a princípios do século XX, a Guerra do Contestado. Segundo Paulo Pinheiro Machado, professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC, Brasil), no texto “A aventura cabocla do Contestado: o conflito e seu desfecho”, publicado no site Que República é essa?, do Arquivo Nacional do Brasil, a Guerra do Contestado foi um conflito armado na região de fronteira entre os estados de Santa Catarina e do Paraná, ocorrido entre os anos de 1912 e 1916, resultando na morte de mais de 10 mil pessoas. Em resumo (e de forma bem simplificada), a guerra envolvia forças do Estado, grandes proprietários e industriais e a população local, especialmente, os chamados caboclos, trabalhadores e pequenos agricultores pobres da região. Ainda assim, a guerra se travou por disputas de fronteiras e por território; a construção de uma linha férrea que conectaria o Rio Grande do Sul a São Paulo foi um dos fatos que teria agravado a situação, gerando um contingente de trabalhadores empobrecidos. Enfim, foram anos marcados por vários conflitos locais e muita violência. Um dos episódios mais duros da história recente do país.

O projeto “Contestadas” surgiu quando Rafaela Ventz participou do Seminário do Contestado, em 2018, organizado pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC, Brasil). No evento, ela teve a oportunidade de conhecer os organizadores do evento e as músicas do projeto chamado “Caboclos rebeldes”, que tinha Duda Nascimento como um dos principais responsáveis pelas composições das letras. A partir daí, formaram uma equipe de profissionais entregados e comprometidos, para produzir seis músicas e vídeos que contassem a história da Guerra do Contestado.

As músicas

Rafaela Ventz conta na entrevista que a música “carro-chefe” do projeto é “Maria Ninguém”, uma composição original de Duda Nascimento e William Peres, “que fala das mulheres invisíveis”.

“’Maria ninguém’ é uma homenagem às mulheres invisíveis e um lembrete dessa violência que ainda vivemos mesmo depois de 100 anos de guerra. De certa forma, isso é coletivo, não é? Isso ainda acontece no mundo todo”.

Rafaela Ventz

A segunda música do projeto, que se intitula “Alumia”, uma composição original de Duda Nascimento, e que entre seus versos diz assim:

Como um pé de vento, veio me avisar

Que o meu lamento vai se acabar

Com três rezas fortes ela levará

Minha angústia, o medo, paz ela trará

Depois chega a vez de “Ocre Bugre”, uma composição de Duda Nascimento, uma música cheia de ritmo. Para Rafaela Ventz, essa é a música

mais leve do projeto e fala da transformação do caboclo, da transformação da natureza, da esperança por algo melhor. Caboclo é isso, ele recebe o que tem, transforma o que está à volta e vive em harmonia com a natureza, recebendo o que a natureza pode entregar e ajudando a natureza a seguir adiante

Rafaela Ventz

Entre seus versos diz assim:

Sou foco, força vital, vivo o instinto, vivo a sobrevivência

Do nascimento crio mudanças, consequências

Salve José Maria

Sou Grato por toda palavra e também por cada momento

Que `a mim chegaram tocando os meus sentimentos

A referência a José Maria aqui trata-se do curandeiro que ficou muito conhecido na região por ter curado a esposa de um grande fazendeiro. Mais tarde, se tornou um importante líder popular na região do contestado.

Sobre “Rio abaixo”, Rafa conta que

é uma homenagem aos amores constituídos em volta do Rio do Peixe, aqui da região, e as cidades foram construídas em volta do rio. E tem muito relacionamento que começa entre pessoas que estão em lados diferentes do rio. E é o rio que permite essa ida e volta para esses encontros

Rafaela Ventz

A penúltima música é “Ver caboclo”, é uma composição original de Duda Nascimento e William Peres. A música fala sobre a experiência dos caboclos na sobrevivência, muitas vezes em difíceis condições de pobreza, mas também o seu compromisso com a preservação e com a exploração sustentável da natureza.

E para fechar o projeto, vem a música “Minha alma”, uma composição de Duda Nascimento. Sobre essa música, Rafaela Ventz diz que se trata do “ponto alto da guerra, quando entre irmãos já estavam brigando, é o degringolar da guerra”. Os seus três primeiros versos dizem:

O céu fechou, minhas vista pretejou

Os encantado vortará

Irmão contra irmão de faca furou.

Um detalhe importante do projeto: todas as músicas são composições originais e inéditas. Além disso, todos os videoclips contam com interpretação em libras.

Para conhecer mais sobre o projeto, dá uma olhada no canal de YouTube, no Facebook e no Instagram @rafaelaventz

“O samba da minha terra” é uma coluna do programa Brasil es mucho más que samba, dedicada ao universo do samba, suas histórias e protagonistas. Tudo em bom português! O programa #BMQS vai ao ar todas às terças-feiras, às 17h30 (hora local) na radio.usal.es e na sintonia 89 fm local.

Compartir

Relacionado:

No último programa da temporada entrevistamos o fotógrafo brasileiro Luiz Maia, quem presenta o impactante projeto “Quem sou eu”.
A última entrega de #OSMT antes das férias dedica um especial a uma das maiores intérpretes de samba, Aracy de Almeida.
Entramos no universo dos quadrinhos brasileiros com cinco jovens e talentosas autoras, que você deve conhecer.
Conversamo com Nikelen Witter, escritora, historiadora e professora da Universidade Federal de Santa Maria e uma das mais importantes representantes do gênero steampunk no
Anterior
Próximo