BioBrasil: Mulheres cientistas da Fiocruz I

Retomamos a nossa colaboração com o Museu da Vida com uma entrega especial dedicada às cientistas da Fundação Oswaldo Cruz.

En este programa especial com o Museu da Vida do Rio de Janeiro não vamos falar, como até agora, da biografia de uma pessoa especificamente, mas da presença feminina numa instituição científica de prestígio como é a Fiocruz. Para isso, contamos com a inestimável participação da professora Daiane Silveira Rossi, doutora em História da Ciência e bolsista de pós-doutorado na Casa de Oswaldo Cruz onde estuda, desde 2019, a memória institucional das mulheres na Fiocruz, junto com uma equipe de pesquisadores, entre os quais está Aline Lacerda, Luciana Heymann, Luiz Otávio Ferreira, Nara Azevedo e Simone Kropf, quem já escutamos em emissões anteriores.

Rossi começa falando sobre o início do projeto “Mulheres na Fiocruz: trajétorias” e “Mulheres na Fiocruz: pioneiras”, nos quais trabalhou como roteirista e pesquisadora. Ela nos conta que a ideia surgiu da equipe coordenada pelo professor Luiz Otávio e que contou com o apoio da assessoria de comunicação e do diretor da Fiocruz, Paulo Elian. Juntos, decidiram qual seria o objetivo do projeto, quem seriam as profissionais escolhidas e como o tema seria abordado. Contrataram uma documentalista e um câmera, e se lançaram ao trabalho. O documentário foi gravado em duas partes: a primeira pré-pandemia e a segunda durante o Covid-19, dando um giro nos trabalho para poder adaptar-se às circunstâncias.

No mundo antes da pandemia do novo coronavírus, as gravações eram feitas no auditória da Casa de Oswaldo Cruz, com uma equipe formada pelo câmara, a documentarista e dois pesquisadores que eram os responsáveis pelas entrevistas, quase sempre Nara Azevedo e Aline Lacerda, também com a participação da professora Simone Kropf. Elas se ocupavam da pré-produção, as reuniões prévias com as entrevistadas, para que tudo estivesse preparado no momento de gravar. Rossi e outro bolsista, André Luiz, foram os responsáveis pela pesquisa sobre os nomes selecionados a partir da lista proporcionada pelos diretores das 21 unidades técnico-científicas da Fiocruz.

As protagonistas dos três primeiros episódios da série “Mulheres na Fiocruz: trajétorias” lançados em 2020, foram com as cientistas Maria da Luz Fernandes Leal, farmacêutica, Yara Maria Traub-Cseko, bióloga molecular e Liléia Gonçalves Diotaiuti, bióloga. Nos vídeos, que estão disponíveis online, as pesquisadoras falam sobre suas carreiras, as dificuldades que tiveram que superar, as conquistas alcançadas, e claro, a sua contribuição para a Fiocruz e para a ciência nacional.

A professora Rossi nos conta que as cientistas sempre emocionavam a equipe com suas declarações, quase confessões. Uma das últimas preguntas que eram feitas no documentário era sobre o significado da Fiocruz para elas. A emoção de todas as entrevistadas era unânime ao afirmar que se sentiam muito orgulhosas de formar parte desta instituição. Durante o ano de 2020, com motivo da pandemia, o projeto foi suspendido, e portanto, as gravações. Foi uma pausa obrigatória para pensar e reorganizar todo el trabajo, pois ja era evidente que havia que recorrer às plataformas virtuais. O trabalho de pesquisa e contextualização da vida das protagonistas da série, suas carreiras e vida pessoal continuou, foi elaborado um roteiro, que posteriormente foi gravado por zoom.

Os desafios técnicos foram muitos: foi necessário regravar algumas entrevistas em até três ocasiões porque o som não tinha qualidade, gravá-las em dias diferentes porque anoitecia e a luz não era adequada, problemas com a conexão em internet… Em resumo, tudo isso o qual nos acostumamos ao longo deste último ano tubulento. O resultado, porém, é genial e está disponível na página da Fiocruz.

Ainda temos muita entrevista por diante e outras muitas informações que compartilhar, mas ficarão guardadas para a próxima emissão. Agradecemos novamente a Melissa Cannabrava e a Renata Fontanetto, jornalistas do Museu da Vida, pela inestimável colaboração ,sem a qual este programa não seria possível. Fazemos extensivo o nosso sincero agradecimento à professora Daiane Silveira Rossi, com quem continuaremos na semana que vem.

Música do programa: “Me conta da tua janela” do dueto Anavitória, formado por Ana Clara Caetano Costa e Vitória Fernandes Falcão.

Referências:

Vídeo da professora Daiane Rossi sobre o início da presença feminina na Fiocruz na década de 1940.

Compartir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no skype
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Relacionado:

A última emissão do Biobrasil da temporada está dedicada a um movimento cultural que adquiriu força e seguidores nos últimos tempos: o afrofuturismo.
A coluna “O samba da minha terra” dedicada à contora e intérprete brasileira, Alcione.
Conversamos com o autor de “F.U.R.I.A Ciberpunk” sobre literatura, ficção científica e visões de um futuro incerto.
Uma entrevista ao fotógrafo Daniel Hafez que mostra a costa brasileira com visão de dron.
Anterior
Próximo