Vozes amazônicas

Um ciclo de entrevistas realizado em colaboração com o Instituto Peabiru, de Belém do Pará (Brasil).
 

No próximo 17 de março, às 18h00 (hora Espanha peninsular), o CEB e o Instituto Peabiru, inauguram uma colaboração com um ciclo de entrevistas online. Com o título Vozes amazônicas, o projeto pretende dar visibilidade aos diferentes grupos sociais e às principais agendas contemporâneas da Amazônia brasileira.

Nesta ocasião, a entrevista será realizada por João Meirelles, escritor e diretor do Instituto Peabiru, com a liderança quilombola Raimundo Magno Nascimento, do quilombo África e Laranjituba, em Mojú (Pará). Raimundo é mestre em sustentabilidade pela Universidade Nacional de Brasília (UnB, Brasil) e colaborador em Malungu, a Coordenação das Associações das Comunidades Remanescente de Quilombo do Pará.

Quilombos e quilombolas

Quilombolas é o termo para denominar as pessoas afrodescendentes e remanescentes de comunidades constituídas por escravizados fugitivos entre os séculos XVI e XIX.

Atualmente, há aproximadamente quinze mil comunidades quilombolas espalhadas por todo o território brasileiro. Muitas delas lutam pela garantia do direito à propriedade de suas terras, estabelecido no artigo 68 da Constituição.​ Os estados com o maior número de comunidades quilombolas são Bahia (229), Maranhão (112), Minas Gerais (89) e Pará (81).

Entrevista a Raimundo Magno Nascimento

A entrevista será transmitida ao vivo através das redes sociais do CEB: Facebook e Youtube e é totalmente gratuita. Siga-nos nas redes sociais e fique por dentro de toda a programação.

Fecha y hora

17/03/2021 6:00 pm

Fecha de inicio

17/03/2021

Fecha de fin

17/03/2021

Lugar

Online

Compartir

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no reddit
Compartilhar no skype
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Relacionado:

Entrevistamos a doutora Ima Célia Guimarães Vieira, especialista em ecologia e desenvolvimento sustentável.
Uma entrevista com o Defensor Público do estado do Pará, Johny Fernandes Giffoni.
Novo prazo: até 1º de março para matrículas nos níveis B2.1 e C1.2.
Anterior
Próximo