Mesa redonda: “Aspetos emocionais do ativismo de extrema direita no Brasil”

Uma análise do uso das emoções negativas com fins políticos e seu "contágio" através das redes sociais.

No próximo 8 de novembro, a partir das 18 horas, o CEB acolhe a mesa redonda “¿El discurso emocional moviliza? Aspectos emocionales del activismo de extrema derecha en Brasil”.

Partindo da teoria da inteligência afetiva e o contágio emocional, no encontro serão abordados aspectos do uso das emoções no discurso da pós-verdade, como o ódio, a ira e o medo. Igualmente, será analisado o seu contágio entre grupos e inter-grupos nas mobilizações políticas da extrema direita brasileira e seu uso nas redes sociais.

O evento acontecerá de forma presencial no Palácio de Maldonado (Plaza de San Benito, 1, Salamanca) e também será transmitido ao vivo através das redes sociais do CEB: Facebook e YouTube. A entrada é livre até completar a lotação.

Os participantes

Palestrante:

Igor Unica Grego é doutorando em Democracia no século XXI pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra (Portugal) e bolsista da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) de Portugal. Estuda as emoções, ativismo digital e participação política.

Comentadores:

Odilon Caldeira Neto é professor do Departamento de História e do programa de pós-graduação em História da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF, Brasil). É doutor em História pela Universidade Federal de Rio Grande do Sul (UFRGS, Brasil), com estágio de pesquisa no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (Portugal). É coordenador do Observatório de Extrema Direita, do Laboratório de História Política e Social (UFJF) e editor-chefe de Locus: Revista de História. As suas pesquisas estão centradas na história política do mundo atual, principalmente em temas como o extremismo político, fascismo, neofascismo e direita radical.

Carlos Benítez Trinidad é professor de História da América da Universidad de Salamanca. É doutor em co-orientação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA, Brasil) e pela Universidad Pablo de Olavide de Sevilla, realizando um pós-doutorado na Universidad de Santiago de Compostela com estágio na Universidade Nova de Lisboa (Portugal), Universidad Pontificia de Perú e Universidade Federal Fluminense (UFF, Brasil). É membro do grupo de pesquisa BRASILHIS, do Instituto de Ibero-américa (USAL) e editor do projeto de história pública História da Ditadura. Seus temas de pesquisa têm a ver com a história indígena e do indigenismo, representações da alteridade, imaginários e relações inter-étnicas, especialmente durante a ditadura militar no Brasil.

Fecha y hora

08/11/2023 6:00 pm

Fecha de inicio

08/11/2023

Fecha de fin

08/11/2023

Compartir

Relacionado:

Os palestrantes analisarão as principais características do chamanismo ameríndio e como ele se vincula à produção de diferentes artistas e intelectuais indígenas.
O professor Sebastião Vargas abordará nesta conferência como aconteceu a transferência do imaginário que a Europa havia criado sobre o Oriente, às terras e
Três especialistas analisam a evolução do movimento indígena no Brasil, a partir da Constituição de 1988 até os nossos dias.
Anterior
Próximo