Conferência: as fronteiras na Amazônia colonial

O professor José Luis Ruiz Peinado Alonso fala sobre a construção artificial das fronteiras amazônicas na cartografia colonial.

Na próxima terça-feira, 31 de janeiro, a partir das 12h00 (CET), o Centro de Estudos Brasileiros oferece a conferência intitulada “As fronteiras na Amazônia colonial”, minsitrada em espanhol pelo professor José Luis Ruiz Peinado Alonso, da Universitat de Barcelona. A conferência é parte das atividades do projeto “Intercambios culturales, transculturación y castellanización en los territorios del Reino de Portugal y Brasil durante el periodo de integración en la Monarquía Hispánica y sus postrimerías 1580-1668”. SA110P20. Junta de Castilla y León. Fondos FEDER.

O evento acontecerá em modalidade híbrida e poderá ser acompanhado na sede do CEN, no Palácio de Maldonado (Plaza de San Benito, 1. Salamanca) e através das redes sociais do centro:  Facebook e YouTube. A entrada é livre até completar a lotação.

As fronteiras amazônicas

A história das fronteiras gestada desde o período colonial até o Brasil independente invisibiliza importantes grupos humanos do baixo Amazonas, que interagiram nesta região durante muito tempo. Trata-se de amplas áreas, localizadas nas fronteiras mais setentrionais do Brasil, cujos moradores se transformaram nos principais atores de sua construção.

As fronteiras desenhadas no mapas oficiais tinham pouco a ver com a ocupação real e efetiva desses territórios e, mesmo que estivessem demarcadas sobre o papel, eram praticamente desconhecidas pelas mesmas autoridades que as haviam demarcado. trata-se de uma cartografia que mostrava uma Amazônia “vazia” e que chegou aos nossos dias, perpetuando uma imagem irreal da região.  

O conferencista

Foto: Elincoformistadigital.com

José Luis Ruiz Peinado é professor na área de História da América da Universitat de Barcelona. As suas linhas de pesquisa são o Patrimônio arqueológico e cartográfico de comunidades indígenas e afro-americanas no Nordeste do Brasil. Publicou um livro baseado em sua tese de doutorado sobre a resistência e os “cimarrones” no Brasil e outro, com Javier Laviña, que tem como título Resistencias esclavas en las Américas. É autor de mais de vinte artigos científicos e capítulos de livros sobre as temáticas da escravização e a conflitividade na América Latina. A sua última publicação se intitula “Ondulando el Atlántico a través de la fe, mercados de almas y redes religiosas”, na obra coletiva Redes y circulación en Brasil durante la Monarquía Hispánica (1580-1640) (Silex, 2019).

O conferencista é membro do “Finisterra_lab” da Universidade de São Paulo (USP) e do projeto “SA110P20, Intercambios culturales, transculturación y castellanización en los territorios del Reino de Portugal y Brasil durante el período de integración en la monarquía hispánica y sus postrimerías 1580-1668”, financiado pela Junta de Castilla y León, e do Grupo de Pesquisa Reconhecido (GIR) BRASILHIS. Historia de Brasil y el mundo hispánico en perspectiva comparada.

Fecha y hora

31/01/2023 12:00 am

Fecha de inicio

31/01/2023

Fecha de fin

31/01/2023

Compartir

Relacionado:

Um encontro dedicado a estudar a subalternidade nas margens do mundo ibérico.
O professor Lucas Barreto Dias analisa a proliferação das chamadas fake news a partir da perspectiva da liberdade de expressão no Brasil atual.
20 fotografias mostram uma versão cultural e humana do coração financeiro do Brasil.
Ministrada pela professora Andréa Doré, a conferência tratará das diferentes representações imagéticas do interior do continente americano.
Anterior
Próximo