Conferência: as fronteiras na Amazônia colonial

O professor José Luis Ruiz Peinado Alonso fala sobre a construção artificial das fronteiras amazônicas na cartografia colonial.

Na próxima terça-feira, 31 de janeiro, a partir das 12h00 (CET), o Centro de Estudos Brasileiros oferece a conferência intitulada “As fronteiras na Amazônia colonial”, minsitrada em espanhol pelo professor José Luis Ruiz Peinado Alonso, da Universitat de Barcelona. A conferência é parte das atividades do projeto “Intercambios culturales, transculturación y castellanización en los territorios del Reino de Portugal y Brasil durante el periodo de integración en la Monarquía Hispánica y sus postrimerías 1580-1668”. SA110P20. Junta de Castilla y León. Fondos FEDER.

O evento acontecerá em modalidade híbrida e poderá ser acompanhado na sede do CEN, no Palácio de Maldonado (Plaza de San Benito, 1. Salamanca) e através das redes sociais do centro:  Facebook e YouTube. A entrada é livre até completar a lotação.

As fronteiras amazônicas

A história das fronteiras gestada desde o período colonial até o Brasil independente invisibiliza importantes grupos humanos do baixo Amazonas, que interagiram nesta região durante muito tempo. Trata-se de amplas áreas, localizadas nas fronteiras mais setentrionais do Brasil, cujos moradores se transformaram nos principais atores de sua construção.

As fronteiras desenhadas no mapas oficiais tinham pouco a ver com a ocupação real e efetiva desses territórios e, mesmo que estivessem demarcadas sobre o papel, eram praticamente desconhecidas pelas mesmas autoridades que as haviam demarcado. trata-se de uma cartografia que mostrava uma Amazônia “vazia” e que chegou aos nossos dias, perpetuando uma imagem irreal da região.  

O conferencista

Foto: Elincoformistadigital.com

José Luis Ruiz Peinado é professor na área de História da América da Universitat de Barcelona. As suas linhas de pesquisa são o Patrimônio arqueológico e cartográfico de comunidades indígenas e afro-americanas no Nordeste do Brasil. Publicou um livro baseado em sua tese de doutorado sobre a resistência e os “cimarrones” no Brasil e outro, com Javier Laviña, que tem como título Resistencias esclavas en las Américas. É autor de mais de vinte artigos científicos e capítulos de livros sobre as temáticas da escravização e a conflitividade na América Latina. A sua última publicação se intitula “Ondulando el Atlántico a través de la fe, mercados de almas y redes religiosas”, na obra coletiva Redes y circulación en Brasil durante la Monarquía Hispánica (1580-1640) (Silex, 2019).

O conferencista é membro do “Finisterra_lab” da Universidade de São Paulo (USP) e do projeto “SA110P20, Intercambios culturales, transculturación y castellanización en los territorios del Reino de Portugal y Brasil durante el período de integración en la monarquía hispánica y sus postrimerías 1580-1668”, financiado pela Junta de Castilla y León, e do Grupo de Pesquisa Reconhecido (GIR) BRASILHIS. Historia de Brasil y el mundo hispánico en perspectiva comparada.

Fecha y hora

31/01/2023 12:00 am

Fecha de inicio

31/01/2023

Fecha de fin

31/01/2023

Compartir

Relacionado:

Última sessão da II edição do programa “Seminário de pesquisa: estudos brasileiros na USAL”.
Nova sessão da II edição do programa “Seminários de pesquisa: estudos brasileiros na USAL”.
Oitava apresentação da II edição do programa seminário de pesquisa “Estudos brasileiros na USAL”.
Nona apresentação da II edição do programa de seminário de pesquisa “Estudos brasileiros na USAL”.
Sétima apresentação da II edição do programa do seminário de pesquisa “Estudos brasileiros na USAL”.
Anterior
Próximo